Apostila 20

MEDIUNIDADE - TEORIA E PRÁTICA

11ª Parte

AURA HUMANA - III


Nosso estudo da Aura Humana foi interrompido na apostila 19 no tópico Acoplamentos. Ali falamos dos acoplamentos simpáticos e dos acoplamentos antipáticos. Prosseguindo com esse tópico, que nos parece ser de relevante importância, pois como ficou dito na apostila 18, item 4 - Vigilante - essa característica de detectora que a Aura possui, capacita o indivíduo a se defender nas diferentes situações. Nesta, prosseguiremos com as descrições das outras características.

13.1 - Acoplamentos em Multidões - Onde houver multidão deve-se tomar muito cuidado, pois sempre ocorrerão acoplamentos áuricos. Conforme comentamos na apostila 11, folha 3, ao sensitivo torna-se especialmente perigoso permanecer junto de uma multidão desmotivada espiritualmente. Conforme instrui Dr. Waldo Vieira, as observações apontam que onde já houver tres pessoas, esse aglomerado, que parece pequeno, já deve ser considerado como o de uma multidão. Se entre aqueles elementos não predominar uma certa ordem de conduta, quase que certo irão surgir distúrbios. Às vezes violentos. - Por tal situação é que em qualquer movimentação de massa se torna comum eclodir distúrbios descontrolados. Por exemplo, nos estádios de futebol, em comícios políticos, em pleitos de reivindicações, etc, quase sempre essas movimentações acabam em violência. Basta um pequeno grupo dentro daquela multidão despertar rivalidade para que, como um rastilho de pólvora, o distúrbio se generalize.

13.2 - Acoplamentos em Seitas - Nos rituais religiosos há formação de correntes energéticas. Principalmente quando no cerimonial há acompanhamento de cânticos. Nessa circunstância todos os presentes, envolvidos pelas melodias, entrarão numa espécie de transe em que estarão sintonizados num só fluxo e ritmo de energia. O acoplamento que ali ocorre envolve coletivamente todos os participantes. Exemplos: Igrejas Pentecostais; Movimento Carismático da igreja Católica; Terreiros de Umbanda e Candomblé: seita Santo Daime. Nesta última há ainda um agravante, que é o uso explícito de substância alucinógena, própria da seita, que deixa os adeptos sob o efeito desse estimulante.

13.3 - Acoplamentos em Trabalhos de Energia - Quando todos os integrantes de uma equipe assistencial, seja de que modalidade for, sentados em grupo, ou próximos uns dos outros, mantém atitude de concentração e respeito ao que fazem, suas auras interligam-se formando o que é chamado popularmente de corrente energética.

Na figura acima apresentamos a situação onde estão algumas pessoas em trabalho de energia, e que, por isso mesmo, suas auras se interligam.

Evidencia-se que, para que nessa corrente refulja a harmonia, necessário será o sentimento de simpatia entre todos. Se um só dos integrantes, por inadequação ao grupo, estiver movido de sentimento contrário, haverá impedimento para se completar o acoplamento simpático. Qualquer pensamento duvidoso gerará um turbilhão de negatividade em todo o conjunto. Razão porque um grupo só passa a trabalhar quando todos os integrantes se equilibram em respeito espontâneo entre si. Fora disso, os trabalhos que o grupo possa vir a apresentar serão meros ensaios. Nada, porém que tenha seqüência duradoura, pois a inexistência do acoplamento áurico visando objetivos nobres deixa todo o grupo à mercê de invasões indesejáveis.

- - - / / / - - -


Com o item acima, quase se completa nossa relação das características dos acoplamentos. De tudo que comentamos acima, e nas apostilas 18 e 19, alguns pontos se salientam. Um deles é a expansividade da Aura. Isto é, a Aura é expansível. Sua ampliação se dá diretamente em função do aprimoramento do corpo Mental. Desta forma, as recomendações citadas na apostila 15, quando se falou de exercícios para desenvolver o corpo Mental, aqueles exercícios são, por decorrência, um fator dilatador do campo áurico.

Charles W. Leadbeater, renomado pesquisador e, a seu tempo, um dos integrantes na direção da instituição filosófica e científica da Teosofia, falando sobre a aura em seu livro A Clarividência, diz que ela, a aura, aumenta em tamanho, em luminosidade e cores, na proporção em que a pessoa progride ascensionalmente. Diz, ainda, que, quando essa pessoa, que ele classifica de aluno, atingiu um nível elevado nesse caminho, (a palavra caminho ele escreveu com letra maiúscula), a aura dessa pessoa é maior que a das pessoas comuns, e a aura daquelas que são chamadas de Adeptos é muito maior ainda.

Para esclarecer informamos que Caminho, por ele citado com o "c" em maiúsculo, significa a senda evolutiva da consciência. Aluno, é aquela pessoa que conscientemente se empenha nesse trabalho pessoal, não importando onde essa pessoa se situa na escala social dos homens. Adepto, é a individualidade, encarnada ou não, que já atingiu altíssimo grau de evolução e, por isso, por merecimento do esforço próprio, se acha pertencente a uma das Fraternidades de Espíritos Puros que governam os mundos.

Voltando à aura, é em virtude de sua expansão que nos acoplamentos simpáticos nos sentimos felizes quando na presença de pessoa amiga, mesmo que dela estejamos a razoável distância física. Ao percebermos a presença dessa pessoa, seja visual ou apenas intuitiva, nossas auras se expandem, uma de encontro à outra, provocando a agradável sensação de felicidade.

Outro ponto a salientar, este com referência à segurança do médium, além daqueles comentados no tópico Acoplamentos, é sobre a contaminação energética que a seguir expomos.

13.4 - Contaminação em Grupos de Risco - Grupo de risco poderia ser incluído no gênero dos acoplamentos antipáticos. Todavia, dada à significação destrutiva que esse grupo impõem aos integrantes, julgamos ser mais aproveitável ao nosso estudo apresentá-lo em separado. Exemplos de grupos de risco: pessoas que fazem uso de droga alucinógena; alcoólatras; pervertidos sexuais; grupos de bandidagem, sejam os chamados colarinhos brancos ou não.

Tomando como exemplo explicativo do que ocorre num acoplamento áurico dentro de um grupo de risco, composto por pessoas que fazem uso de drogas alucinógenas veremos o seguinte: A figura ao lado mostra tres pessoas. As pessoas "B" e "C" estão fazendo uso de cigarro alucinógeno. A pessoa "A" é um não usuário de drogas. Entretanto, mesmo não sendo usuário, e naquele momento não fazendo uso direto da droga, a pessoa "A", por conseqüência do acoplamento áurico com os drogados, também se sentirá drogada. Através do acoplamento áurico ocorrerá a transferência dos alcalóides, substâncias químicas existentes em todas as drogas, fumos e alcoólicos inclusive, e ele impregnará o novato do grupo. No estudo dos chacras, apostilas 21 a 25, veremos mais claramente esse mecanismo de transferência.

Assim, pois, o inocente do grupo ver-se-á tal qual os demais, e se comportará como eles. Mesmo recusando a droga que lhe oferecem, mas permanecendo junto ao grupo, indiretamente estará provando de seus efeitos.

O exemplo que demos acima é bastante enfático, proposital mesmo, para chamar bem a atenção, pois a contaminação é fato inegável. A partir da contaminação inicia-se o processo de sedução, em que um indivíduo induz outro se submeter á sua vontade. Para prevenir-se contra ela, ou seja, criar imunização, é preciso cuidadoso equilíbrio mental. O médium, pela característica de sua participação em trabalhos energéticos onde, por conseqüência direta, ocorrem acoplamentos áuricos, está seguidamente vivendo desses momentos, seja com entidades espirituais ou pessoas presentes ao recinto. Mesmo porque, nesse tipo de atividade ele se torna o suporte energético da pessoa que atende. Tudo isso exige dele consciente cuidado e respeito.

As recomendações básicas, que serão acrescidas de outras informações no estudo dos Chacras, e das Glândulas, são: através de uma vida regrada manter perfeito entrosamento com seu mentor principal; vigiar atentamente os pensamentos; renovar as energias de seu campo áurico pela prática diária da meditação e da mentalização, genuinamente espontâneas do coração. Nada de repetitividades decoradas ou copiadas, à moda das religiões que explicitam modalidades de orações.

- - - / / / - - -

As descrições acima e as contidas nas apostilas 18 e 19, completam as informações básicas sobre a Aura Humana. Básicas, contudo suficientes como respostas a muitas perguntas. Principalmente a esta: "Eu me sentia tão bem e, de repente, quando uma tal pessoa se aproximou de mim passei a ter uma irritação que até agora me incomoda. Por quê ? Isso é normal ?" - Esta é uma situação pela qual todas as pessoas, sem dúvida, já passaram, e a razão do por quê esclarecemos nestas apostilas.

- - - / / / - - -

Para uma segura vivência mediúnica, releiam as apostilas 18 e 19 e esta, pois a aura tem acentuada importância sobre o fenômeno da mediunidade. A seguir, na próxima apostila daremos início ao estudo dos Chacras. Veremos que esses outros atributos têm relação direta com a aura.


Bibliografia:

Autor Livro Editora

André Luiz/Francisco C. Xavier - No Mundo Maior - página 126 - Federação Espírita Brasileira
André Luiz/Francisco C. Xavier - Ação e Reação - páginas 257 e 258 - Federação Espírita Brasileira
André Luiz/Francisco C. Xavier - Mecanismos da Mediunidade - páginas 45 e 83 - Federação Espírita Brasileira
André Luiz/Francisco C. Xavier - Evolução em Dois Mundos -páginas 129 e 130 - Federação Espírita Brasileira
Annie Besant - O Homem e seus Corpos - página 107 - Editora Pensamento
Arthur E. Powell - O Corpo Astral - capítulos 3 e 4 - Editora Pensamento
Bárbara A. Brennan - Mãos de Luz - Editora Pensamento
Charles W. Leadbeater - A Clarividência - página 51 - Editora Pensamento
Colletti Tiret - Auras Humanas - Editora Pensamento
Helena Petrovna Blavatsky - A Doutrina Secreta - volume II páginas 244 e 250 - Editora Pensamento
Hernani Guimarães Andrade - Espírito, Perispírito e Alma - páginas 119 e 120 - Editora Pensamento
Hernani Guimarães Andrade - Psi Quântico - páginas 100, 101 e 102 - Editora Pensamento
Jorge Andréa - Forças Sexuais da Alma - Federação Espírita Brasileira
Lancellin/João Nunes Maia - Iniciação, Viagem Astral - páginas 136, 148, 200, 202, 217, 240, 241, 243, 284 - Editora Espírita Cristã Fonte Viva
Lawrence e Phoebe Bendit - O Corpo Etérico do Homem - páginas 11, 12, 13 e 14 - Editora Pensamento
Valdo Vieira - Projeciologia - Capítulos 95 - 307 - 420 - Edição do Autor
Walter J. Kilner - A Aura Humana - Editora Pensamento
Wenefledo de Toledo - Passes e Curas Espirituais - Editora Pensamento


Apostila escrita por
LUIZ ANTONIO BRASIL

Maio de 1995

Revisão em Novembro 2006

Início A Criatura A Grande Morada Civilizações O Inevitável Despertar

Reconstrução Mediunidade-1 Mediunidade-2 O Amor Meditação Além da Meditação